22 de set de 2009


Olhar o próprio rosto envelhecido no espelho é uma visão particular e única. É um mapa de linhas que relatam histórias, que nem sempre queríamos marcadas.Emoções contidas, dores compostas, horrores bloqueados, estranhas erupções, disfarçadas com corretivos, que no fim do dia devem ser retirados. E quem disse que é fácil dormir de cara limpa?A pele é profunda e, em suas diversas camadas, esconde histórias, mascara odores e alinha intenções.Sentir na pele é mais do que uma condição, é uma entrega. É permitir o encontro, é vivenciar o real. E é da ordem do impossível quando tentamos traduzi-la para o outro.A pele nos denuncia, nos expõe, nos trai. Mas é ela também, que nos devolve a alegria quando em toque, promove o arrepio do encontro, a doçura do abraço. E ainda, em dança, permite o cheiro e o entrelace suave dos dedos.Pele enruga e envelhece, pele amarela com o tempo, pele retrai e se expande, pele estria, pele enfeia. Mas pele também se refaz e embeleza. Pele rejuvenesce e encanta. Pele brilha e chama a atenção.Não há lógica no arrepio que se sente, como não há cheiro de pele que se esqueça.Da minha pele, só eu sei, e isso é uma questão não testada dermatologicamente.
Samanta Obadia

Nenhum comentário: